Como configurar servidor SDS - Shared Disk Secondary Server

Versão para impressãoEnviar para amigoVersão PDF

Abaixo segue os passos necessário para montar dois ou mais servidores trabalhando com recursos de SDS.Nestes passos já está sendo considerado que a configuração do ambiente já está feita (compartilhamento dos discos).

Caso precise de mais informações de como montar um ambiente de teste (compartilhamento de discos), leia este artigo
Para mais informações e algumas observações sobre a utilização do SDS leia este artigo

Configurando o servidor primário


  • Definir um novo DBSERVERALIASES e configura-lo com uma conexão de rede (soc/tli) no sqlhosts
  • Definir o parametro SDS_TIMEOUT se necessário.
  • Para especificar qual identificação do servidor será utilizada, definir o parametro HA_ALIAS com o nome criado no DBSERVERALIASES.
  • Efetivar o servidor como primário com o comando:
      $ onmode -d set SDS primary <nome_alias>
    

    Automaticamente este comando irá alterar o parametro SDS_ENABLE no onconfig e criar o BD sysha.
  • Incluir no sqlhosts a definição do servidor secundário

Configurando o servidor secundário


  • Instalar a mesma versão do Informix.
  • Configurar e verificar path dos discos, owner e permissões
    Dica: Para ambiente Linux, se necessário configurar o "daemon" udev : /etc/udev/rules.d
  • Copiar do servido primário : onconfig, sqlhosts e shell de ambiente
  • Definir um file system *sem* journaling para os arquivos de paginação
  • Definir o local onde será alocado o espaço para o dbspace temporário do servidor secundário.
  • Alterar/renomear a shell de ambiente para o nome do novo servidor informix
  • Renomear o onconfig
  • Alterar/renomear o sqlhosts
  • Redefinir/rever os seguintes parametros no onconfig:
      DBSERVERNAME            DBSERVERALIASES
      SERVERNUM               HA_ALIAS
      DRAUTO                  MSGPATH
      CONSOLE                 ALARMPROGRAM
      FAILOVER_CALLBACK       SDS_ENABLE
      SDS_PAGING              SDS_TEMPDBS
      UPDATETABLE_SECONDARY   TEMPTAB_NOLOG
      STACKSIZE
    

  • No parametro UPDATETABLE_SECONDARY o valor colocado nele representa a quantidade de threads que será utilizado para comunicação com o servidor primario e processamento do logical log
  • Atenção, não alterar ou desativar outros parametros ,pois em caso de falha no servidor primario , o servidor secundário irá assumir seu lugar e provavelmente irá precisar destes parametros.
  • Rever/criar os diretórios que são gerados os logs
  • Rever as shells como alarmprogram.sh e ifx_failover_callback.sh
  • Executar se necessário shell de segurança: ibmifmx_security.sh e make-informixdir-secure
  • Prever problema de espaços em locais que são gerados dumpings, AFs, etc.
  • Verfique se todos os patchs dos chunks estão iguais ao do servidor primário e acessiveis.
  • Ao iniciar o servidor secundário, este já irá identificar de que faz parte de um SDS e que é um servidor secundário ao ler o ROOTDBS do disco.
  • Executar no servidor primário os mesmos passos dos servidor secundário , pois há possibilidades de ocorrer de o servidor primário ser 'convertido' a um servidor secundário (após algum crash ou manutenção programada).

Defazendo um SDS


Para desfazer uma configuração SDS e voltar o servidor primario como um servidor stand-alone, é necessário primerio parar os servidores secundários e então executar o comando abaixo no primário:
 $ onmode -d clear SDS primary <alias_primario>

Para realizar este processo sem baixar manualmente os servidores secundários, basta incluir a opção --force , então os servidores secundários irão automaticamente desligar.

Monitoramento


Monitorar thread proxy , esta thread faz a comunicação SMX entre o servidor secudário (proxySync) e primário (proxyDispatch)
  $ onstat -g proxy [all | [proxy_id] [proxy_tx_id]  ]  
    # proxy_id = id da thread proxy
    # proxy_tx = id da transação em execução

Monitorar SDS através das tabelas sysmaster:syssrcsds (source sds) para servidor primário e sysmaster:systrgsds (trigger sds) para secundário.

0
Ainda não votado
Sua avaliação: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Você pode usar tags BBCode no texto.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Este teste é para bloquear programas automatizados e previnir spams
CAPTCHA de Imagem
Digite o texto exibido na imagem.